Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘FILOSOFIA’ Category

Desapego, passado, seguir em frente

Há dias que nos sentimos perdidos, como se estivéssemos caminhando por uma estrada e nos deparássemos com a famosa bifurcação, “para onde vou? O que eu faço?”. E mesmo se você resolve seguir pela opção da direita, você pensa em como seria se caminhasse no caminho da esquerda, porque a opção da direita não era como você imaginava. Ou ainda, você está perdido em uma mata (sua vida) e há vários caminhos que você pode percorrer. Cada um te levará a um fim diferente. Haverá diferentes ambientes, animais, aventuras, experiências e contextos em cada caminho que você escolher. Mas não tem como percorrermos dois caminhos ao mesmo tempo, sempre temos que escolher uma única opção. Agora vamos além: (mais…)

Anúncios

Read Full Post »

A história abaixo reflete de modo sucinto a teoria de Jean-Jacques Rousseau sobre A Origem Da Desigualdade Entre Os Homens. Inicia-se com Brutus, um personagem no estado natural, e se estende até o Pacto Social, quando o homem formou uma sociedade civil.

homem-natural_estado-natural_rousseau_homem-selvagem (mais…)

Read Full Post »

existencialismo sartre humanismo liberdade

Os parágrafos abaixo trilham as ideias de Jean-Paul Sartre sobre existencialismo – da obra Existencialismo É Um Humanismo (1946). A  interpretação se encontra na terceira pessoa, Sofia, uma personagem fictícia.

 §1 Existencialismo: a existência precede a essência

Nada existia até o momento em que Sofia veio ao mundo. A um mundo já moldado com muitos rótulos, conceitos, definições, doutrinas e crenças. Quando criança, confusa com tantas escolhas, seguiu o caminho de não acreditar a finco em nada. Ao passar dos anos, ainda jovem, ela foi se encontrando, se definindo e se projetando, ou seja, sua essência foi se estabelecendo. Inconscientemente, Sofia era responsável pelo que era e nada mais era do que aquilo que ela fazia de si mesma. (mais…)

Read Full Post »

Robin_sabiá_Amor_Filosofia

Cassandra, uma jovem ateniense de uma beleza muito peculiar, vivia explorando os passeios da pólis. Um dia, em uma de suas caminhadas, escutou um canto que nunca ouvira antes. Hipnotizada pelas notas do belo canto, andou em direção a sua fonte, até que a encontrou. Aquela melodia vinha de um ingênuo sabiá, que cantava felizmente em cima de uma rocha. A jovem ficou encantada com a beleza que vinha de dentro daquela ave – seu canto -, e a forma com o qual o pequeno sabiá articulava a melodia, balançando sutilmente suas asas. Cassandra se aproximou da ave e quando o sabiá a viu parou de cantar. A jovem perguntou por que a ave estava tão feliz. A resposta foi que ela teve oportunidade de conhecer os mais belos cantos da região.  (mais…)

Read Full Post »

O VOO DE KAIROS

A Chegada da Hora Certa

O jovem Heródoto, um cidadão grego solitário e ansioso, caminha pelos passeios de Atenas nos tempos da Grécia Antiga. Sem muito o que fazer, ele sempre exclamava “o tempo não passa!” e ficava com as sobrancelhas franzidas, impaciente e insatisfeito com sua vida ordinária. Heródoto era muito diferente dos outros jovens atenienses, razão pela qual vivia solitário. Mas o que ele mais desejava era ter amigos, como os outros jovens, mas nunca teve a oportunidade de conhecer alguém com o qual se identificasse. Quando via alguém diferente, o jovem Heródoto, mesmo tímido, tentava puxar assunto, mas nunca deram muita atenção. Os dias se repetiam para Heródoto, que ficava cada vez mais impaciente com o tempo que não passava e culpava os deuses gregos por não terem sido generosos com ele. (mais…)

Read Full Post »

§1 Pensamentos

Os pensamentos parecem que passam a mil por hora em nossa mente, sem direção e limites. São feixes abstratos de elementos do mundo sensível, abrangendo do tangível ao intangível. São nos pensamentos que mora o mundo inteligível, onde a perfeição reside. Neles também brotam o imaginário e o ilusório.

(mais…)

Read Full Post »

Se minhas loucuras tivessem explicações, não seriam loucuras.

Nietzsche

A Trilha dos Costumes e a da Loucura

 Em tempos nebulosos e escuros, o começo da humanidade, constituída de poucos hominídeos [ainda desnorteados], encontrava-se rodeada pela insegurança e medo. Andavam sempre juntos, para que assim, tentassem construir alguma segurança. Mas o grupo não era forte o bastante para segurar a segurança, e ela sempre conseguia escapar quando tinha a oportunidade. Até que em um dia encontraram, no meio da mata, uma trilha com as folhas e plantas pisoteadas. Notava-se que algum grupo de humanos havia passado por ali. Curiosos, o pequeno grupo de indivíduos, inseguros, resolveu seguir aquela trilha, pois cheirava segurança. (mais…)

Read Full Post »

Older Posts »